imagem empresa

Redes para crivos

Redes de malha quadrada Tipo A (Vibro)

As redes metálicas são fabricadas em aços ao carbono especiais e de alta resistência, segundo as normas DIN 17223 (EN – 10270-1-2001) e em aço inox AISI-304; 316 e 310, segundo a norma UNE-EN 10088-3: 1996.
Respeitando os requisitos técnicos e de inspecção segundo as normas: ISO – 14315: 1997; ISO – 4783/3: 1981; ISO-2194: 1991.

Estas redes, pelo facto dos arames serem pré-ondulados, tem uma grande rigidez, uma grande igualdade em toda a malha. A sua aplicação é, principalmente, para classificar materiais sem tendência para colmatar, tem grande precisão e alto rendimento devido à sua elevada superfície de crivagem também disponível em inox com luzes 0,16 x 0,16 m/m até 17,5 x 17,5 m/m.

Redes de malha quadrada Tipo A (Vibro-ondulada)

As redes metálicas são fabricadas em aços ao carbono especiais e de alta resistência, segundo as normas DIN 17223 (EN – 10270-1-2001) e em aço inox AISI-304; 316 e 310, segundo a norma UNE-EN 10088-3: 1996.
Respeitando os requisitos técnicos e de inspecção segundo as normas: ISO – 14315: 1997; ISSO – 4783/3: 1981; ISSO-2194: 1991.

Estas redes apresentam uma grande rigidez devido à pré-ondulação do arame e usam-se em situações cuja relação entre luz e o Ø arame é muito grande. Disponível em luzes 5,0 x 5,0 m/m até 110 x 110 m/m.

Redes de malha quadrada Tipo E (Planas)

As redes metálicas são fabricadas em aços ao carbono especiais e de alta resistência, segundo as normas DIN 17223 (EN – 10270-1-2001) e em aço inox AISI-304; 316 e 310, segundo a norma UNE-EN 10088-3: 1996.
Respeitando os requisitos técnicos e de inspecção segundo as normas: ISO – 14315: 1997; ISSO – 4783/3: 1981; ISSO-2194: 1991.

Estas redes caracterizam-se por ter os arames planos na superfície (lado) de trabalho, permitindo, devido à sua estrutura indeformável receber fortes cargas e tem uma duração elevada e um máximo aproveitamento. Disponíveis em luzes 12,5 x 12,5 m/m até 140 x 140 m/m.

Redes rectangulares

As redes metálicas são fabricadas em aços ao carbono especiais e de alta resistência, segundo as normas DIN 17223 (EN – 10270-1-2001) e em aço inox AISI-304; 316 e 310, segundo a norma UNE-EN 10088-3: 1996.
Respeitando os requisitos técnicos e de inspecção segundo as normas: ISO – 14315: 1997; ISSO – 4783/3: 1981; ISSO-2194: 1991.

Estas redes caracterizam-se por ter uma maior superfície de crivagem e consequentemente uma produção por m2 mais elevada. Disponíveis em luzes 1,0 x 3,0 m/m até 80,0 x 100,0 m/m.

Redes rectangulares Tipo C (Rectângular mista)

As redes metálicas são fabricadas em aços ao carbono especiais e de alta resistência, segundo as normas DIN 17223 (EN – 10270-1-2001) e em aço inox AISI-304; 316 e 310, segundo a norma UNE-EN 10088-3: 1996.
Respeitando os requisitos técnicos e de inspecção segundo as normas: ISO – 14315: 1997; ISSO – 4783/3: 1981; ISSO-2194: 1991.

Estas redes são recomendadas para classificação de produtos finos com humidade e plasticidade. Disponíveis em luzes 1,5 x 50,0 m/m até 14,0 x 60,0 m/m.

Redes rectangulares Tipo D (Rectângular plana)

As redes metálicas são fabricadas em aços ao carbono especiais e de alta resistência, segundo as normas DIN 17223 (EN – 10270-1-2001) e em aço inox AISI-304; 316 e 310, segundo a norma UNE-EN 10088-3: 1996.
Respeitando os requisitos técnicos e de inspecção segundo as normas: ISO – 14315: 1997; ISSO – 4783/3: 1981; ISSO-2194: 1991.

Estas redes tem uma configuração semelhante à tipo E – Plana, mas com forma rectangular. A sua utilização é principalmente para evitar acunhamento dos materiais a classificar e em função da sua posição para eliminar ou classificar produtos lascados. Disponíveis em luzes de 10,0 x 50,0 m/m até 80,0 x 120,0 m/m.

Redes tipo Dupla-onda

As redes metálicas são fabricadas em aços ao carbono especiais e de alta resistência, segundo as normas DIN 17223 (EN – 10270-1-2001) e em aço inox AISI-304; 316 e 310, segundo a norma UNE-EN 10088-3: 1996.
Respeitando os requisitos técnicos e de inspecção segundo as normas: ISO – 14315: 1997; ISSO – 4783/3: 1981; ISSO-2194: 1991.

Este tipo de redes estão concebidas para evitar ou reduzir a colmatação, isto é, evitando o acunhamento do material a crivar nas aberturas (Luz). Os arames destas redes são independentes entre si, não chegando nunca a tocar-se, estando aramados e fixos por umas tramas (1), que coincidirão com os apoios do crivo.
A vibração independente dos arames facilita a passagem do material, permitindo um aumento de produção, e assim não há retenção do material. São recomendadas na classificação de produtos finos. A sua aplicação pode ser feita em crivos de tensão transversal e de tensão longitudinal.
Estas redes são as de maior aplicação por disporem de maior superfície de crivagem. Estão disponíveis em luzes Ø 1,0 x 1,0 m/m até Ø 40,0 x 40,0 m/m.

Redes tipo Recto-onda

Estas redes são idênticas ás Dupla-onda, mas com um arame recto entre os arames ondulados, o que não permite uma grande abertura por sobrecarga ou acunhamento de partículas na rede. Permite uma classificação muito precisa e suporta tamanhos grossos. Disponíveis em luzes Ø 1,0 x 1,0 m/m até 24,0 x 24,0 m/m.

Redes tipo Doblerec

Estas redes são redes especiais que combinam os dois tipos anteriores. São aconselhadas para situações em que é necessário rigor na crivagem e elevadas produções. Disponíveis em luzes 1,0 x 1,0 m/m até 40,0 x 40,0 m/m.

Redes tipo Meia-onda

Estas redes são usadas em situações em que não é necessária grande precisão na crivagem, usando-se também para limpeza do material. São usadas para cortes muito finos. Disponíveis em luzes 1,0 x 1,0 m/m até 40,0 x 40,0 m/m.

Redes tipo Multirecta ou "Corda de Piano"

Estas redes são redes caracterizadas por terem os arames rectos e paralelos entre si. Tem uma permeabilidade muito elevada, por isso, acoselhamos para crivar areias naturais. São bastante resistentes à abrasão.

Redes de borracha

Usadas em alternativa às redes metálicas, por terem uma maior duração, em particular, quando são usados materiais de maiores granulometrias, com excelente comportamento aos impactos do material. Insonoras, pois eliminam o ruído típico da crivagem com redes metálicas.
Disponíveis com luz quadrada , redonda, rectangular.
Construídas com 2 camadas de borracha e reforçadas com uma ou mais telas em poliéster interior e com resistência apropriada ao tipo de material a tratar.
As luzes disponíveis são:
· Luz quadrada ----5 a 120mm
· Luz redonda-----30 a 90 mm
· Luz rectangular—2,5x25 a 25x80mm
· (Outras sob consulta)

Aplicam-se com chapas tensoras ou aparafusadas.

Redes de poliuretano

Usadas em alternativa às redes metálicas e às de borracha, têm um excelente comportamento anti-abrasivo, permitem uma superfície de crivagem superior à das redes de borracha, são insonoras e são aconselhadas para todos os tipos de material, quer por via seca como húmida.
Fabricam-se com luz quadrada, redonda e rectangular, tendo durezas que variam entre 65º shore (impactos e abrasão) até 80º shore (uso mais genérico).
A sua aplicação pode ser em módulos, planas com reforços interiores ou sistemas de tensão transversal ou longitudinal e usam-se em crivagem normal e em escorredores de areia.

Braço de descolmatação

É um acessório que se aplica sobre as redes e que vibrará com a vibração do crivo batendo sobre estas, permitindo aumentar a passagem dos materiais através das malhas das redes evitando a sua colmatação.

Parafusos

Utilizam-se para os tensores das redes, com diâmetros de 16 a 18 mm, comprimento desde 100mm, cabeça oval ou de martelo.

Perfis

Para colocar nas barras de apoio das redes nos crivos para barras de espessura de 8 a 12mm.

Espalhadores

Utilizados para o sistema de lavagem (rega) dos crivos.

Amarres

Chapas tensoras para aplicação nos crivos.